HOME
BRASILUSACANADAARGENTINAURUGUAYPARAGUAYVENEZUELA
Quarta-feira, 3 de Setembro de 2014
Brasilia: 01:32    Roma: 6:32
> DIRETÓRIOS DE SITES
> NOTÍCIAS
> PROMOÇÕES
> CADASTRE-SE
> COMUNIDADE
HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO
ASSOCIAÇÕES ITALIANAS
INSTITUIÇÕES
FAMÍLIAS
GENEALOGIA
CIDADANIA
MURAL DE MENSAGENS
PESQUISA DE SOBRENOME
> ITÁLIA
REGIÕES ITALIANAS
CALCIO ITALIANO
FÓRMULA 1
SPORT
CINEMA ITALIANO
ARTES & ARTESANATO
MÚSICA
GASTRONOMIA
PIZZA
VINHOS
LÍNGUA ITALIANA
EMILIA-ROMAGNA TURISMO
VIAGGIO
VILLA & CHARME
BIBLIOTECA
SHOPPING ITÁLIA
> SERVIÇOS
OUTRA ECONOMIA
CURSOS ON LINE
DAVINCI
ITENETS
TRADUÇÕES
DICIONÁRIO
TEMPO
MAPA DO SITE
> NEGÓCIOS
CATÁLOGO DE EMPRESAS
BANCO DE CURRÍCULOS
OFERTAS DE EMPREGOS
OPORTUNIDADES
CÂMARAS ITALIANAS
FEIRAS
> ADMINISTRAÇÃO
- 7
Página Inicial de História da Imigração Italiana
 
A IMIGRAÇÃO ITALIANA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
 
MUNIZ FREIRE

Em Moniz Freire, iniciou-se a imigração italiana, em 1890, com as famílias venezianas, na maioria, procedentes da lavoura:

Balzar Favarato Lazaro Lora Passabao Quineloto

Chegaram para a fazenda Santa Maria, do Sr. Manoel Vieira Machado, que as acolheu e orientou no início de suas atividades no Brasil.

Outras vieram, antes por conta própia, com a família Vivacqua e alguns membros da De Biase, que muito se destiguiram, principalmente no comércio de café.

José Vivacqua, o velho, natural de Castellucio Superiori, como od De Biase, chegou ao Brasil, em 1873, e tendo contraído a febre amarela, no Rio de Janeiro, até 1878, quando se transferiu para o arraial do Espírito Santo do Rio Pardo, hoje, Cidade de Moniz Freire, sede do município do mesmo nome. Aí, ficou sete anos. Depois, foi buscar a família: Dª Margarida Miglione Vivacqua, sua esposa, e os filhos: Egidio, Brás, José e Filomena. Antonio ficou na Itália; veio depois. Em Moniz Freire, nasceram Manoel, Mariarcangela, Pedro e Maria.

Trabalhadores e decididos, prosperaram, à custa de sacrifícios. Domingos veio, em 1876. Com o seu cajado e sua coragem, dominou os desordeiros que infestavam a região. Impôs a ordem. Era filho do primeiro matrimônio de José Vivacqua.

Aos poucos, a família foi-se transferindo para Castelo, que se tornou o centro dos seus negócios. Espalhou-se, ainda, em Cachoeiro do Itapemirim, Vitória, Rio de Janeiro, Belo Horizonte.

José Vivacqua muito se distingiu no comércio de café. Participou, com o Conde Siciliano, dos trabalhos relativos à primeira valorização oficial do café.

Deixou descendentes ilustres, dentre os quais o Dr. Atílio Vivacqua, filho de Antonio, casado com Dª Etelvina Monteiro Vivacqua. Atílio Vivacqua foi Senador e muito honrou o Espírito Santo, na política e na Jurisprudência. Seu irmão, Antonio, atualmente professor da Universidade Federal de Brasília, é inventor de inúmeras soluções interessantes para vários problemas, conforme citações em revistas técnicas americanas, francesas, alemãs etc.

Outras famílias de sobrenome italiano, que foi encontradas:

Alonso Filete Piani
Bertoqui Fole Picotto
Benevenuto Frinanti Pim
Bozarella Gricolato Poncio
Bolzan Guizzardi Pope
Bonato Libardi Quinelato
Boniziola Lizardi Rizzo
Bozzi Lizardo Rosarini
Bruno Louzada Santoris
Campores Macao Scussolin
Cantarella Macrolan Sgrancio
Castorino Manone Spadette
Cizato Marino Spinola
Couco Merçon Tallon
Crispin Mignone Tiengo
Cuman Muciacta Tisolin
Davoli Nicolau Venturim
Delamerlina Olle
Dorighetto Passabão
Falhani Pastori
Favoretto Paulucio

 

 

Voltar para a Home

Cidades do ES

. Afonso Cláudio

. Alfredo Chaves

. Anchieta

. Antonio Prado
  (Colatina)

. Baixo Guandu

. Cachoeiro de
  Itapemirim

. Castelo

. Ecoporanga

. Guaçuí

. Guarapari

. Ibiraçu

. Iconha

. Itaguaçu

. Itapemirim

. lúna

. Linhares

. Mimoso do Sul

. Muniz Freire

. Muqui

. Nova Venécia

. Sta. Leopoldina

. Sta. Teresa

. São José do Calçado

. Viana